quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Questão do efeito platô

Fala gente querida e amada!
Bom, preocupada com esta minha estagnação de peso, resolvi procurar no tio google matéria sobre o tal efeito platô.
Achei esta matéria da revista Boa forma, ela é longa mais bastante interessante...Espero que curtam!
 
Eu já defini umas metas: tentando sair deste efeito platô, começo hoje uma fase ataque da Dieta Dukan por 05 dias e no 6º dia pretendo fazer um dia de DETOX...com suco e comidinhas termogênicas...Bora lá meninada, pois está fazendo um frio danado em Porto Alegre e o que a gente não pode é se descuidar da dieta...Cada dia que passa estamos mais perto do Verão 2014. Pensem nisso! 
bjão
 

Efeito platô: quando o ponteiro emperra

Descubra armas poderosas para combater o efeito platô, o maior vilão de todas as dietas, e continuar a emagrecer.

Efeito platô

Chega uma hora em que todos os esforços para emagrecer são em vão. É nesse momento que a luta contra os quilinhos indesejáveis se torna mais acirrada. Conheça duas armas infalíveis para combater o efeito platô, o maior vilão de todas as dietas. E também truques espertos, que vão ajudar nessa guerra

Preparada para a luta? Na guerra contra a gordura teimosa (e tão valente quanto você), não vai ter moleza. O inimigo é tinhoso e poderoso. A tentação da cervejinha do sábado? A indisposição de sair de casa e encarar a academia em uma noite fria? Não! O grande vilão na luta para perder peso é o seu próprio corpo. Às vezes, ele faz de tudo para dificultar seu sucesso. E, quando você estiver próxima de vencer a batalha, o danado pode sacar sua mais potente arma: o efeito platô.

Por mais que você siga todas as regras para emagrecer, testadas e aprovadas pela ciência, em um determinado momento seu peso pode se estabilizar. Não adianta diminuir ainda mais o prato pois seu organismo aprendeu a viver bem com as calorias fornecidas no período da dieta e armazenou gordura suficiente para mantê-lo funcionando. Também não vale malhar em dobro. "Os estudos mostram que o platô pode acontecer em vários momentos durante o processo de emagrecimento", diz Márcio Mancini, endocrinologista e presidente da Associação Brasileira para os Estudos da Obesidade.

A saída para enfrentar cada episódio é criar uma estratégia diferente a fim de ludibriar o organismo. Nessa luta, vale jogar com algumas armas, combinadas ou não, como dieta, exercício e até medicamentos na tentativa de vencer a resistência do corpo ao emagrecimento. Por isso, é necessário que o processo seja bem orientado por um especialista.

Uma das causas do problema é a genética implacável que nos programou para enfrentar a fome. O lado bom da história é que você nunca corre o risco de cair dura logo de cara, caso fique perdida em uma ilha deserta, sem nada para comer. "Ao longo da história, houve mais falta do que abundância de alimentos. Assim, nosso organismo aprendeu a estocar gordura ao perceber que a oferta de calorias é escassa", diz Thiago Volpi, clínico-geral e nutrólogo de São Paulo.

Hormônio que engorda

Nesse boicote corporal contra a perda de peso existem vários hormônios que atuam sobre o metabolismo (processo da transformação das calorias em energia) e que defendem bravamente o organismo das privações. O principal deles é a leptina, produzida principalmente pelo tecido gorduroso. Como ela tem o poder de estimular no cérebro a sensação de saciedade, compromete o resultado da dieta caso deixe de atuar.

Com a redução dos estoques de gordura e, consequentemente, com a baixa produção de leptina, capaz de interromper a comilança, a tendência é que você esteja sempre disposta a atacar brigadeiros, trufas e afins. Resultado: além de não emagrecer mais, pode recuperar os quilos perdidos. "O corpo sabe como interromper a queima de gordura e não faz nada para impedir o armazenamento da mesma", diz Thiago Volpi. Como vencer esse desafio? Persistindo na dieta. Com o tempo, o organismo se acostuma com os níveis de leptina mais baixos e volta a dar sinais de saciedade mesmo que você coma moderadamente.

Para turbinar a malhação

O exercício também anda conspirando e não faz mais maravilhas pelo seu corpo? Você se acostumou ao estímulo a que vinha sendo submetida. O lado bom é que seus músculos responderam bem à malhação e pedem mais carga. O ponto negativo é que, se você não mudar o programa, os resultados param por aí. "O corpo se acostuma a qualquer tipo de movimento ou estímulo, por mais que você se esforce. Assim, é necessário criar alternativas para que a atividade física continue provocando mudanças positivas no seu visual", diz Gustavo Pasqualotto, personal trainer da Performance com Saúde.
Isso não significa, necessariamente, trocar a musculação pela localizada ou aposentar a esteira e aderir ao body combat. Às vezes, basta fazer mudanças sutis naquele exercício (ou treino) que você tanto gosta. "Diminuir o tempo de descanso entre as séries, aumentar o peso, intercalar um exercício de pernas com uma sequência para costas ou, ainda, aumentar a inclinação da esteira. Na verdade, qualquer alteração ajuda a estimular o organismo", diz Guilherme Arnone, professor de musculação da academia Cia. Athletica, em São Paulo.

Tiros certeiros contra o platô

1. Músculos mais definidos

A perda desenfreada de massa muscular, geralmente provocada por dietas que fazem você emagrecer muito num curto espaço de tempo, também pode abrir as portas para o efeito platô. Se vários quilos de músculo forem embora junto com a gordura, o metabolismo fica lento. Entre 60% e 70% das calorias utilizadas pelo organismo servem para seu próprio funcionamento, mesmo que você não faça qualquer esforço físico. E esse gasto inclui manter e sustentar a massa muscular.

Geralmente, quando a perda de peso ultrapassa 1 quilo por semana, é provável que o organismo vá buscar energia nos músculos, o que faz com que eles percam volume. Portanto, uma boa estratégia contra o efeito platô é preservar a massa muscular. Melhor: procure incrementá-la. Junto com a dieta, faça musculação ou ginástica localizada com carga. "Quanto maior a massa magra, mais calorias o corpo utiliza espontaneamente", diz Paulo Muzy, ortopedista, especialista em fisiologia e biomecânica aplicadas ao exercício, da assessoria em atividade física Performance com Saúde, em São Paulo.

2. Proteína magra carboidrato do bem

Outra saída é programar bem a dieta. Não adianta só reduzir carboidrato - nós precisamos desse nutriente para queimar as gordurinhas estocadas. Segundo Alessandra Caviglia, nutricionista da academia Cia. Athletica, em São Paulo, as proteínas de alto valor biológico (com todos os aminoácidos essenciais) encontradas nas carnes magras e os carboidratos de baixa carga glicêmica como massas e pães integrais são grandes aliados contra o efeito platô. "As proteínas garantem a construção dos músculos e os carboidratos integrais, que demoram mais para ser absorvidos pelo organismo, mantêm o metabolismo acelerado", explica.

Mas, se, ainda assim, a balança emperrar no meio da dieta, não desista. Alguns estudos mostram que para cada quilo perdido você deve estabilizar o peso por um mês. E, só então, seguir adiante no projeto corpo magro. Como funciona: se você perdeu 10 quilos e parou aí, tente permanecer do jeito que está por dez meses. Assim, também aumenta a chance de não recuperar os quilinhos exterminados, evitando outro vilão: o efeito sanfona. Por isso, não se engane, por mais bacana que seja a dieta ou o programa de exercício, nada é mais eficiente contra o efeito platô que a força de vontade. "Um dos maiores obstáculos para emagrecer é o descuido na alimentação quando os resultados deixam de ser tão significativos. Mas, se você não se abater pelo desânimo, conseguir estabilizar o peso e ter paciência antes de subir o próximo degrau, mantendo a dieta equilibrada e o programa de exercícios, o sucesso é mais provável", diz Márcio Mancini.

Truques que funcionam

Caso o platô comece a boicotar seu projeto de emagrecer, mantenha a calma e seja persistente. Só não desista! Fernanda Fernandes, gerente nacional do grupo de reeducação alimentar Vigilantes do Peso, diz como vencer o desânimo e até usar o platô como um trampolim

1. Coloque na cabeça que tudo pode ser superado, inclusive o platô. Não mande mensagens para o cérebro do tipo "nunca consigo perder mais de 5 quilos". Com uma nova estratégia de combate à gordura, você sempre vai perder outros quilinhos, mesmo que demore um pouco.

2. Procure fazer sua dieta junto com alguma amiga ou em grupo de emagrecimento (Vigilantes do Peso, Meta Real, Peso Ideal...). O apoio de outras mulheres nas mesmas condições que você é essencial. Os estudos mostram que quem tenta emagrecer em equipe tem 30% mais chances de sucesso. E o que é melhor: não recupera os quilinhos perdidos.

3. Que tal criar um blog, contando a sua experiência? Quando surge o desânimo, você vai lembrar do que já passou e como venceu o obstáculo daquele momento.

4. Se goste. Parece clichê, mas saber se valorizar e dar a volta por cima quando cair em tentação é um vitória que estimula você em outros momentos de fraqueza.

5. Não se mate em cima de uma esteira. Isso vai provocar mais ansiedade. A dica é criar desafios no treino que possam ser superados. Se você caminhava 4 quilômetros em meia hora, tente andar 5.

6. Cansou? Pare, beba um pouco de água e, então, continue o exercício. Lembre-se: você não é uma atleta, mas uma mulher que respeita seus limites e que tem consciência de que pode vencê-los.

7. Não suba na balança diariamente, pois não existe mudança real em 24 horas. Quer se pesar? Faça isso a cada semana e, mesmo assim, saiba que seu corpo pode estar melhor sem que a balança indique a mudança. Afinal, esse equipamento não sabe a diferença entre gordura e músculo.

8. Melhor do que se orientar pela balança, é tirar as medidas com uma fita métrica. Mesmo sem alteração de peso, a cintura pode estar mais fininha e isso vai dar um novo ânimo na sua vida.

9. Parar de comer é um erro. Em vez de tirar mais alimentos do seu prato, substitua aqueles que você já vem comendo há algum tempo por outros de igual qualidade. Está farta de peito de peru? Ataque de atum ou use algum suplemento tipo whey protein - proteína em pó do soro de leite.

10. A Juliana Paes está bem na fita? Bom para ela. Mas, como ninguém é igual a ninguém, nada de querer ser igual à moça. Você precisa ter em mente que o grande êxito é melhorar o corpo que tem
.

 

9 comentários:

  1. nossa muito legal!!!!!
    adorei!! beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O texto é bem longo, mas a matéria é interessante!
      Abçs

      Excluir
  2. Platô é pra matar, mas muda a tua alimentação que o peso anda! Experiência própria ;)
    Beijão!

    ResponderExcluir
  3. Morro de medo do platô! Tem até nome desses monstros que povoam o imaginário infantil. É o terror da minha dieta, rsrsrs.

    Mas se eu passar por isso, quero ter muito equilíbrio pra não desanimar.

    Tomara que vc supere rapidinho, Lisiane. Se o segredo é persistência, vá em frente!

    Bjs

    ResponderExcluir
  4. PLATO EH PRA MATARRRRRRRRRRRRRR
    fique firme
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Oi,adoro seu blog,mas quantos dias vc esta estagnada?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estou desde o dia 20/07 estagnada...
      abçs

      Excluir
  6. Fiz a dieta com minha mãe de 54 anos e eu de 17, ela perdeu 9 kilos em 2 semanas e meia. Enquanto eu perdi 6 em um mês! alguém me explica isso?!

    ResponderExcluir